fbpx
+55(19)3493-9220 | (19)3493-5576 | (19)3493-4429 | WhatsApp: (19)99548-0301| (19)99800-7902 contato@petmed.com.br

O mês de dezembro chega com aquela sensação de dever cumprido, trazendo com ele, tantas situações e lembranças boas como o verão, as festas de final de ano e o início das férias.

Entretanto, dezembro traz também, um triste dado relacionado aos animais. É justamente nessa época do ano que as pessoas mais abandonam cães e gatos.

Então, neste mês a nossa entrevista é com quem sempre faz as nossas entrevistas, a jornalista e acadêmica de medicina veterinária, Pauline Machado, que também é voluntária na ONG Beco da Esperança, em Curitiba que hoje abriga em torno de 450 a 500 gatos.

Ela fala um pouco sobre a importância da Campanha Dezembro Verde que visa a prevenção e a conscientização das pessoas sobre o tema.

Acompanhe!

PetMed – Qual é a importância da Campanha Dezembro Verde?

Pauline Machado – Apesar de para algumas pessoas o não abandono ser evidente, para muitos, ainda é um hábito natural – infelizmente. A casa não comporta mais o pet, vou me mudar, vou mudar de país, o dia a dia não tem mais tempo para o pet, um filho vem chegando e não posso mais conviver com animais, principalmente com gatos, entre tantas e tantas outras justificativas, torna-se necessária que ainda hoje, em praticamente em pleno 2022, tenhamos que evidenciar que, além de ser crime, o quanto o abandono é um ato cruel, desumano e, sobretudo que deixa rastros nocivos não apenas à saúde dos animais, mas, também à nós humanos. Por todos esses e muitos outros motivos, a campanha Dezembro Verde é fundamental.

PetMed – É possível nos dar uma estimativa de quantos por cento aumentam os números de casos de abandono de animais nesta época do ano?

Pauline Machado – Não tenho esse porcentual específico, mas, o fato é que a conta nunca fecha. Para se ter uma ideia, na ONG em que atuo, comemoramos a adoção de dois gatinhos num dia, mas, logo em seguida, recebemos três ou quatro, muitas vezes no mesmo dia, fora os pedidos de acolhimento que não conseguimos atender. O desequilíbrio é absurdamente alto.

PetMed –  Diante desses números, quais são os maiores desafios para as ONGs que acolhem animais?

Pauline Machado – Embora não tenhamos apoio financeiro de nenhuma instituição e contarmos somente com a ajuda das doações que os seguidores das nossas redes sociais, dos eventos que fazemos e do projeto de apadrinhamento, o maior desafio, pra mim, é ter que dizer não, que não podemos acolher mais por estarmos superlotados. Em abril, na última contagem que fizemos, estávamos com cerca de 360 gatos. Hoje, temos em torno de 450 gatinhos sob os nossos cuidados.

PetMed – Que medidas podem ser adotadas para minimizar o número do abandono e mudar essa realidade?

Pauline Machado – Campanhas atrás de campanhas, eventos informativos, programas ou chamadas na TV, no rádio, nas redes sociais sobre essa questão. É importante dar visibilidade aos danos psicológicos e comportamentais que acometem os animais quando abandonados.

Hoje contamos com a tecnologia e temos que usufruir dessas mídias ao nosso dispor, muitas vezes até de forma gratuita. Acredito que tendo como base a tríade informação + educação + tecnologia, a longo prazo, essa realidade pode começar a mudar efetivamente.

Há muitas matérias sobre pets nos telejornais, mas, pouca informação relevante sobre adoção responsável, o que dá margem ao aumento do número de casos de abandono ou de violência contra cães e gatos, já que essas situações se dão, na maioria das vezes pelo

desconhecimento das pessoas sobre o que comporta o viver com um pet.

É como sempre digo: quanto mais bem informado as pessoas estiverem, mais bem cuidados serão os seus pets.

PetMed – E quanto a prevenção? O que pode ser feito a fim de que haja mais conscientização da população de modo geral?

Pauline Machado – As sugestões que citei acima, associadas à campanhas de castração, eu arriscaria dizer que seria o mundo ideal, pois, se pelo menos as pessoas castrassem os seus animais, não deixassem ter acesso às ruas, procurassem mais informação, não adotassem ou comprassem animais por impulso, ou entendo eles como não descartáveis, já teríamos algumas respostas positivas neste aspecto, embora ainda não fosse o suficiente.

É fundamental haver uma forte e efetiva campanha de conscientização em rede nacional, na mesma proporção da campanha feita para o uso de máscaras, fique em casa e use álcool em gel, agora pela pandemia. É preciso algo de peso, que alcance a grande massa, as classes mais altas e, sobretudo, as pessoas que não têm nem quase como se manter, que dirá condições de manter um animal. Há de haver ainda ações de políticas públicas para que os cães e gatos dessas pessoas possam ser atendidos gratuitamente. A informação tem que chegar a todos, sem distinção.

PetMed – Por fim, diante deste cenário, qual é o papel das ONGs, dos médicos veterinários, do poder público e da sociedade?

Pauline Machado – Das ONGs: acolher os casos mais graves, tratar, ressocializar e doar os animais. Aos futuros adotantes e pessoas de modo geral, orientar sobre a adoção responsável;

Dos médicos veterinários: informar a população que chega até ele em seu consultório sobre o que é adoção ou compra responsável. Explicar que os animais não são descartáveis e mostrar os malefícios do abandono tanto para o animal, quanto para os seres humanos, tendo como base os conceitos de saúde única;

Do poder público: investir em campanhas educativas e informativas, ressaltando que abandonar e/ou maltratar um animal é crime e também, os malefícios do abandono tanto para o animal quanto para a sociedade. Investir em campanhas de conscientização e prevenção em rede nacional.

Da sociedade: usufruir das oportunidades de ter acesso a esse tipo de informação para que seus pets sejam mais bem cuidados e, assim, se poder se tornar um multiplicador desse conhecimento para que chegue cada vez a mais pessoas.